TESTEMUNHOS


Maria Aparecida Felicidade (citando seu pai)

 

Quando eu era pequena, em nossas Conferências (ainda não existiam Estacas em São Paulo) eram trimestrais e tínhamos duas sessões onde quase sempre éramos visitados por um "Apóstolo" ou alguém dos "Setenta" e me lembro de que meus pais e lideres ansiavam por essas ocasiões, pois não havia manuais como hoje existem esclarecendo tudo e,
muitas "perguntas" eram respondidas nessas conferencias.

Morava na cidade de São Paulo e nos reuníamos na Capela de Pinheiros (ao lado da primeira casa da Missão). E meu pai, recém batizado, (resumindo: ele havia orado ao Senhor e pedido que gostaria de conhecer a verdadeira Igreja de Cristo aqui na terra pois já tinha ido a todas que existiam em São Paulo e nada lhe parecia certo...

Ele orou durante uma manhã inteira ajoelhado diante de um guarda-roupa (como ele sempre nos contava e em seus testemunhos na Igreja) e exigiu do Senhor uma resposta que não o deixasse com dúvidas. Ainda não havia terminado sua oração quando a campainha tocou...

Minha mãe não quis atender dizendo que eram dois homens e ela achava melhor que ele
descesse (era um sobrado ) para ver o que eles queriam. Quando meu pai abriu a porta eles se apresentaram e disseram o que todos sabemos: Somos missionários de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias... Meu pai imediatamente mandou-os entrar e disse que já os estava esperando.

Os Élderes abismados relataram que estavam a mais de um quilometro dali e um deles sentiu que deveria vir por outro caminho, que já havia passado tantas outras vezes e nunca encontrava ninguém em casa. Em nossa rua haviam mais ou menos umas cinco casas e ele tocou exatamente em nossa porta. Apesar de seu companheiro relutar em descer para aquele lugar deserto... ele foi. Não preciso dizer que depois de algumas horas meu pai já queria se batizar.

E mais ou menos três meses depois tivemos essa conferencia. Ele tinha certeza de todas as coisas da Igreja, mas a respeito de um "apóstolo" H.B.Brown ainda era muito para ele...

Então fez tudo que havia aprendido... jejuou, orou incessantemente durante toda a
conferencia (a da manhã) e nada... não sentiu nada. Almoçamos nos jardins da Capela que era imensa (todas as famílias levavam lanches e dividíamos uns com os outros....

Na segunda sessão, meu pai fez-nos sentar bem embaixo do púlpito e segundo ele nos relatou, desafiava o Senhor para que pudesse sair dali com um testemunho de que aquele era realmente um apóstolo do Senhor... E nada...

O Apóstolo fez outro discurso maravilhoso mas meu pai não sentiu nadinha....

E o apóstolo já estava terminando seu testemunho e encerrando no "amém" quando interrompeu e disse: eu ia encerrar este discurso mas resolvi falar mais um pouco... pois aqui embaixo (e apontou para o primeiro banco onde estávamos) tem alguém que quer
um testemunho especial e então eu vou contar uma história... e relatou a história de que ele seria promovido a General e ele não foi promovido dentro do Exército e terminou a história dizendo: "... Eu sou o jardineiro e corto por onde quero...". Esta história referia-se a que o Apóstolo, que na época não era ainda Apóstolo, ficou frustrado por não ser
promovido (no exército)... mas logo depois veio o seu chamado de Apóstolo etc...

Não preciso dizer que meu pai soluçava e teve sua tão almejada certeza que "aquele era um apóstolo do Senhor". Eu mesma já obtive respostas de dúvidas dessa maneira e posso
afirmar e testificar que é maravilhosa a experiência...

Maria Aparecida Felicidade