O BATISMO PELOS MORTOS

 


Capítulo 9

 

---- Original Message -----

From: Airton Evangelista da Costa
To: defesadafe@yahoogrupos.com.br
Sent: Tuesday, November 26, 2002 4:02 PM
Subject: Re: [Apologética Aplicada] Igreja Mórmon e o Serviço de Bem-Estar

 
Amado Irineu,     = BATISMO PELOS MORTOS =
 
Para que eu possa escrever (e divulgar) sobre o assunto com base em fontes fidedignas, peço-lhe que me informe o seguinte, se possível (favor citar a fonte da informação, seja a Bíblia, seja o Livro dos Mórmons). Informo que não acompanhei o total do debate sobre esse tema. Não gostaria que você considerasse sua opinião pessoal, mas traduzisse a crença de sua religião:
 
1 - Com base em que fonte verdadeira os mórmons procedem o batismo pelos falecidos.
 
2 - Se considera que o morto assim batizado alcança a salvação.
 
3 - Quais as condições necessárias para um ser humano ser salvo?
 
4 - Podem ser batizados todos os mortos, ainda que em vida tenham sido ateus?
 
5 - Na parábola do rico e Lázaro, conforme Lucas 16.19-31, você considera que se o rico fosse batizado por seus irmãos ele sairia do lugar tormentos para o lugar de paz?
 
6 - Como saber se o morto realmente está desejando ser batizado?
 
7 - Como podem  os mórmons julgar que determinado morto está necessitando de batismo?
 
8 - Batizar um morto que em vida nunca creu no Evangelho nem em Jesus Cristo não estaria em discordância com a ordenança do próprio Jesus? ("Quem crê e for batizado...").
 
9 - Se considera que o morto creu mas não teve tempo de se batizar, como explicar a salvação do ladrão na cruz, e as disposições de João 3.18 e Efésios 2.8?
 
10 - Se considera o batismo indispensável à salvação, admite que toda a humanidade poderia ser salva se houvesse condições (registros cartorários) para tal?
 
Antecipo meus agradecimentos pela obsequiosa atenção.
 
 
----- Original Message -----
From: irineu
To: defesadafe@yahoogrupos.com.br
Sent: Thursday, November 28, 2002 7:31 AM
Subject: [Apologética Aplicada] Batismo Pelos Mortos - Pastor Airton
 
Pastor Airton,
 
Logo estarei respondendo as suas perguntas sobre o batismo pelos mortos. Entretanto,  algumas respostas já foram postadas em e-mails anteriores dirigidos ao Yuri e ao Eduardo Honorato.
 
Estou aguardando um retorno deles para prosseguir e não ser repetitivo. De qualquer forma se eles não responderem a tempo, estarei reenviando os argumentos anteriormente colocados e acrescendo os outros necessários que possam consolidar as respostas as suas perguntas.
 
Fraternalmente,
 
Irineu

 

----- Original Message -----
From: irineu
To: defesadafe@yahoogrupos.com.br
Sent: Thursday, November 28, 2002 7:01 PM
Subject: [Apologética Aplicada] Batismo - Eduardo Honorato
 

Caro Eduardo,

 

Obrigado pela tua resposta.

 

Sim, inegavelmente SOMENTE Jesus nos salva e redime. Isso é absolutamente inquestionável!

 

É necessário que também se compreenda como é essa salvação, para que não ocorra uma disseminação errada, como ocorre por exemplo nas propagandas, onde em alguns produtos o rótulo é mais importante que o conteúdo, ou seja, não basta apenas saber que Jesus salva/redime, mas como isso na prática realmente se processa.

 

Acredito que nesse contexto nossas crenças diferenciam. Entretanto, podemos dialogar com base nessas diferenças e compartilhá-las de tal forma que possamos formar um juízo de valores que nos aproximem ainda mais de Jesus e contribua para um conhecimento mais abrangente de Seu evangelho.

 

Você introduziu o tema salvação no contexto que estamos dialogando que é o batismo. Sim, eles têm uma relação, entretanto, o cerne de nosso assunto é o batismo. É muito importante ter-se em mente isso, para não ocorrer uma falsa dedução de que o batismo pelo batismo redima alguém - sobre o qual não estou advogando - mas sim, que todos os redimidos certamente deverão estar batizados, conforme Jesus já ordenara: "...Crer e for batizado será salvo". (observe que Jesus fala de uma ação presente para uma outra no futuro). E isso foi plenamente corroborado e ensinado depois pelos Seus apóstolos.

 

Tanto as palavras que vc citou de Paulo: “...que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras”. (1CO 15:1-4) como as de Jesus: ... “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim” (JO 14:6) exprimem a essência, o aroma do evangelho e traduz de forma clara e objetiva o resumo de tudo que é ensinado nas boas novas de Cristo, ou seja, Jesus Cristo é o autor de nossa salvação e redenção.

 

Isso é perfeitamente compatível com uma nova Igreja (entenda a igreja primitiva surgindo) e pregação que estavam nascendo naquela época. A essência das boas novas - como é hoje também - é saber que somente através de Cristo é que conseguiremos retornar a presença de Deus. Isso é a base de tudo e faz-se necessário o constante reforço dessa mensagem, entretanto isso não é "o tudo".

 

É necessário que a partir dessa compreensão básica se entenda também que essa essência é exalada a partir de um corpo doutrinário e é sobre esse corpo doutrinário que reside a base desse entendimento.

 

Reenfatizo, que em momento algum estou colocando o batismo ou qualquer outra ordenança acima de Cristo. Não, não é isso e nem poderia ser, até porque não estou questionando aqui o cerne da salvação, que é Jesus. O que estou colocando é que Jesus:

- ensinou sobre o batismo

- exemplificou em si mesmo ao batizar-se e

- ordenou que essa ordenança fosse praticada como necessário a nossa redenção.

 

Isso é inquestionável, pois além das palavras e ações de Cristo, Seus fiéis seguidores, os apóstolos referendaram isso de forma insofismável, bastando ver, por exemplo, as quase 3000 pessoas que foram batizadas durante a festa dos Pentecostes.

 

Porque tanto trabalho para batizar tanta gente se se bastava aceitar a Jesus!?

 

Jesus salva, claro. Jesus redime, claro. Entretanto, é importante lembrar que Ele deixou ordenanças e preceitos para serem obedecidos. O evangelho está repleto disso.

 

Não adianta apenas focarmos a pessoa de Cristo e esquecermos de observar o que Ele ensinou e correlacionou com o sacrifício expiatório Dele.

 

Sem dúvidas, o batismo também se encaixa perfeitamente nesse contexto.

 

Tendo isso em mente, peço a gentileza de ler o meu post sobre o ladrão na cruz que direcionei para o Yuri - do qual estou aguardando retorno - para ter uma compreensão maior sobre o batismo a luz daquele episódio.

 

Fraternalmente,

 

Irineu


Cap. 10