O BATISMO PELOS MORTOS

 


 

Capítulo 04
 
----- Original Message -----
From: IRINEU2
To: defesadafe@yahoogrupos.com.br
Sent: Friday, October 25, 2002 10:14 AM
Subject: [Defesa da Fe] Batismo Pelos Mortos

 
Prezado Yuri,
 
Segue um pouco mais de explanação sobre o batismo pelos mortos que espero possa ajuda-lo a entender melhor nossa crença sobre esse assunto.
 
A doutrina do batismo pelos mortos é uma das mais substanciais e características doutrinas de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.
 
“Doutra maneira, que farão os que se batizam pelos mortos, se absolutamente os mortos não ressuscitam? Porque se batizam eles então pelos mortos?" (1 Coríntios (15:29).
 
“Em verdade, em verdade vos digo que vem a hora, e agora é, em que os MORTOS ouvirão a voz do Filho de Deus, e os que a ouvirem viverão. Não vos maravilheis disto; porque vem a hora em que todos os que estão nos SEPULCROS ouvirão a sua voz”. (João 5:25, 28.)
 
Observe aqui que não é uma mera figura de linguagem para simbolizar o pecador destituído da glória de Deus. Perceba o uso e a relação entre as palavras Mortos e Sepulcros.
 
Está claro que Jesus tinha em mente que, ao completar sua missão na terra, os mortos ouviriam sua voz: “Porque também Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; mortificado, na verdade, na carne, mas vivificado pelo Espírito; No qual também foi, e pregou aos espíritos em prisão; Os quais noutro tempo foram rebeldes, quando a longanimidade de Deus esperava nos dias de Noé, enquanto se preparava a arca; na qual poucas (isto é, oito) almas se salvaram pela água” (1 Pedro 3:18-21)
 
"Poderia ser feito um pronunciamento mais definido do cumprimento de sua promessa de que os mortos, os que estão nos sepulcros ouvirão Sua voz, do que este feito por Pedro, indicando que Jesus havia pregado aos mortos que tinham sido desobedientes nos dias de Noé?"
 
Quando Ele pregou aos que foram desobedientes, pode-se logicamente perguntar: “Que pregou?”
 
Ele tinha apenas uma mensagem, isto é, o Seu evangelho de , arrependimento, batismo por imersão para remissão dos pecados, e imposição das mãos para o dom do Espírito Santo.
 
Segue-se o relato de Pedro quanto ao que Cristo pregou aos espíritos que foram desobedientes: “Porque por isto foi pregado o evangelho também aos mortos, para que, na verdade fossem julgados segundo os homens na carne, mas vivessem segundo Deus em espírito” (1 Pedro 4:6.)
 
Não é claro isso? O evangelho foi pregado a eles para que eles sejam “julgados na carne segundo os homens”.
 
Como pode ser isso? Como pode um espírito ser batizado por imersão para a remissão dos pecados? Isto só pode ser feito vicariamente - os vivos pelos mortos. Quando o evangelho é aceito pelos espíritos que partiram, seus corações se voltam para os filhos na terra, os quais têm o privilégio de ser batizados em lugar de seus parentes mortos de modo que possam prosseguir, e como diz Pedro, “viver em espírito segundo Deus”.
 
O evangelho está assim ao alcance de todos os seus filhos, quer eles o tenham ouvido na mortalidade ou não. A grande maioria dos filhos de nosso Pai não gozaram desse privilégio e foi a compreensão de Paulo deste grande principio que o fez escrever: “Se esperamos em Cristo só nesta VIDA, somos os mais miseráveis de todos os homens” (1 Coríntios 15:19.). Perceba que essa declaração de Paulo encontra-se no mesmo capítulo e contexto sobre o batismo pelos mortos.
 
O Profeta Isaías também entendia este principio quando declarou: “E será que naquele dia o Senhor visitará os exércitos do alto na altura, e os reis da terra sobre a terra. E serão amontoados como presos numa masmorra, e serão encerrados num cárcere: e serão visitados depois de muitos dias” (Isaias 24:21-22).
 
Lembramos aqui os ensinamentos de Pedro a respeito desse assunto: “...No qual também foi, e pregou aos espíritos em prisão... Porque por foi pregado o evangelho também aos mortos, para que, na verdade fossem julgados segundo os homens na carne, mas vivessem segundo Deus em espírito”.
 
Em outras palavras, Isaias viu que eles seriam visitados, como o foram os desobedientes dos dia de Noé.
 
Jesus também esclareceu isto ao falar da transgressão de seu povo: “Concilia-te depressa com o teu adversário, enquanto estás no caminho com ele, para que não aconteça que o adversário te entregue ao juiz e o juiz te entregue ao oficial, e te encerrem na prisão. Em verdade te digo que de maneira nenhuma sairás dali enquanto não pagares o último ceitil. (Mateus 5:25-26.)
 
Quando eles tiverem pagado o “último ceitil”, ser-lhes-á dada nova oportunidade, como foi dada aos que foram desobedientes nos dias de Noé.
 
Paulo declarou com respeito ao evangelho de Cristo: “Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego. Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá da fé". (Romanos 1:16-17)
 
Paulo, ou outro homem qualquer, bem podia envergonhar-se do evangelho de Cristo se este designasse ou condenasse ao castigo eterno as almas de todos os filhos de nosso Pai que viveram sobre a terra e que nunca ouviram o evangelho ou mesmo o nome de Cristo. Como indica Paulo é através do evangelho que a retidão ou a justiça de Deus é revelada.
 
Como poderia ser isto realizado a não ser através da precaução que Cristo tomou para que seu evangelho fosse pregado não só aos que vivem na terra, mas também a todos os que estão nos túmulos.
 
Tal precaução foi tomada através do batismo pelos mortos, para a sua completa aceitação do evangelho, para que possam ser “julgados na carne segundo os homens” e “vivam no espírito segundo Deus”.
 
Paulo entendia que a pregação do nome de Cristo seria universal quando disse: “Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos CÉUS, e na TERRA, e DEBAIXO DA TERRA. E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai. (Filipenses 2: 10-11.).
 
Perceba o uso das palavras "Terra" e "Debaixo da Terra"... e em seguida o "que toda língua"...
 
Por certo OS MORTOS não podem fazer isso até que Seu nome seja pregado a eles.
 
Pela restauração do evangelho nesta dispensação da plenitude dos tempos, Deus decretou que reuniria em um, em Cristo, tudo o que está acima nos céus e embaixo na terra. Seus servos dignos que viveram na terra e morreram estão incumbidos de pregar o evangelho no mundo espiritual, como fez Jesus aos que foram desobedientes nos dias de Noé. O evangelho que é pregado aos espíritos é o mesmo que seus servos vivos estão incumbidos de pregar na terra.
 
Esta obra, com toda certeza, continuará pelos mil anos do milênio em que o Salvador reinará nesta terra.
 
Pouco antes da declaração de Paulo aos santos de Corinto: “Doutra maneira, que farão os que se batizam pelos mortos, se absolutamente os mortos não ressuscitam? Porque se batizam eles então pelos mortos?" (1Coríntios (15:29), ele descreveu a vinda de Cristo para reinar na terra, e a ordem em que os homens serão ressuscitados, com Cristo como primícia: “Depois virá o fim, quando tiver entregado o reino a Deus, ao Pai, e quando houver aniquilado todo o império, e toda a potestade e força. Porque convém que reine até que haja posto a todos os inimigos debaixo de seus pés. Ora o último inimigo que há de ser aniquilado é a morte”. (1 Corintios 15:24-26.)
 
Será durante esse tempo que ele completará sua obra, colocará todos os inimigos sob seus pés e preparará o reino para ser entregue ao Pai, e reunirá em Cristo “todas as coisas, tanto as do céu, como as da terra e, como as de debaixo da Terra”.
 
Tudo isso demonstra a maravilhosa justiça de Deus e que jamais poderia existir em Deus qualquer critério ou sombra de injustiça que qualquer homem pudesse imputar sobre Ele. Seu amor por nós é imensurável. Todo o Plano que Deus estabeleceu e que Jesus ensinou e cumpriu, cobrem-nos com a Sua misericórdia e também com a Sua justiça divina.
 
Fraternalmente,
 
Irineu

 

----- Original Message -----
From: "irineu" <irineu2@uol.com.br>
To: <defesadafe@yahoogrupos.com.br>
Sent: Saturday, October 26, 2002 5:57 PM
Subject: [Defesa da Fe] Batismo Pelos Mortos

 

> Prezados Yuri e Eduardo,
>
> As respostas as suas perguntas e colocações sobre o Batismo Pelos Mortos
> ficaram devidamente respondidas ou têm ainda alguma dúvida sobre esse
> assunto?
>
> Compreenderam porque cremos na importância do batismo e do que é feito
> também em favor dos mortos?
>
> Será sempre um prazer falar-lhe sobre minhas crenças e fé.
>
> Um fraternal abraço,
>
> Irineu
 

 


Cap. 5