O BATISMO PELOS MORTOS

 


Capítulo 26

 

----- Original Message -----
From: Airton Evangelista da Costa
To: defesadafe@yahoogrupos.com.br
Sent: Tuesday, January 07, 2003 3:02 PM
Subject: Re: [Apologética Aplicada] Tempo
 
Amado Irineu,
 
De minha parte digo que não tenho a menor pressa. Esperarei até a volta de Jesus, se preciso.
 
Airton
 
From: IRINEU2
To: defesadafe@yahoogrupos.com.br
Sent: Monday, January 06, 2003 6:36 PM
Subject: [Apologética Aplicada] Tempo

Prezado Pastor Airton, Norberto e demais amigos do grupo,
 
Não esqueci de nosso dialogo, entretanto no momento estou com bastante trabalho (acumulado pelos feriados de final-de-ano) e com tempo curto para dedicar-me como gosto ao grupo. Peço-lhe um pouquinho de paciência e logo retornarei...
 
Fraternalmente,
 
Irineu

 

----- Original Message -----
From: irineu
To: defesadafe@yahoogrupos.com.br
Sent: Saturday, January 11, 2003 7:45 PM
Subject: [Apologética Aplicada] 1 - Ladrão na Cruz - Batismo pelos Mortos

 

Prezado Pastor Airton,

 

Desculpe-me a demora, mas o trabalho pegou-me de jeito por esses dias.

 

Lendo e analisando nossas trocas de mensagens sobre o batismo/batismo pelos mortos, percebi que temos agregado alguns sub-temas, que buscam reforçar ou pelos menos dar um pouco mais de entendimento ao ponto de vista enfocado.

 

Para facilitar nosso entendimento e também daqueles que porventura acompanham esse dialogo, permita-me organizar estes sub-temas.

 

1 - Ladrão na cruz

2 - Pregação do evangelho no Mundo Espiritual

3 - Visita de Jesus ao Mundo espiritual

4 - Segunda chance

5 - Batismo e Fé X A Fé já é suficiente

6 - I Corintios 15:29

 

Se porventura, esqueci de algum sub-tema que não possa já estar incluindo acima, por gentileza, acrescente.

 

Penso que se focarmos cada um deles, podemos deixar mais transparentes nossas crenças e conseqüentemente dialogarmos sobre outros pontos doutrinários, não-necessariamente apenas de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, mas também sobre algumas doutrinas pertinentes a Assembléia de Deus, das quais gostaria de compreende-las mais e que acredito, por ser um pastor dessa denominação, possa elucidar melhor sobre.

 

Sugiro, Pastor Airton que deixemos – mesmo que para isso tenhamos que copiar e colar – nossos ponto-de-vistas sobre esses sub-tópicos e que cada um leia e pondere sobre a veracidade ou não destes.

 

Portanto, vou postar 6 posts sobre cada um deles.

 

1 - LADRÃO NA CRUZ

 

Um desses sub-temas, que parece ser o “divisor de águas” quanto as nossas formas diferentes de crer em relação ao assunto do batismo e conseqüentemente do batismo pelos mortos é sobre o ladrão na cruz.

 

Para mim, o ladrão arrependido necessita – como qualquer outro – do batismo. O senhor acredita que por ele ter apenas crido, salvou-se e foi para o céu.

 

Por isso, neste post, gostaria de examinar melhor essa questão, mantendo o foco nela.

 

Sobre esse assunto escrevi (24/11/02) (e para não ficar muito extenso, priorizei as partes principais em bordeaux):

 

IRINEU escreveu: Quanto a interpretação sobre o ladrão na cruz já ter sido salvo devido a sua confissão terminal a Jesus, já que este havia lhe dito que ainda naquele dia estaria no Paraíso - e antes de qualquer conclusão apressada - leiamos o que Cristo disse a Maria, somente 3 dias após essa conversa que teve com aquele ladrão: “Não me detenhas, pois ainda não subi para meu Pai” (Jo. 20:17).

 

Como Cristo já houvera dito aos seus discípulos que Ele iria para a casa de Seu Pai, preparar uma morada para eles (João 14:2), é óbvio para qualquer um que o Paraíso a que Cristo se referiu na cruz ao ladrão, não era o reino de Deus, mas uma condição dos justos no mundo dos espíritos que esperam a ressurreição e o julgamento.

 

Tenha ainda em mente a solicitação do malfeitor: “LEMBRA-TE de mim quando entrares no teu reino”.

 

Por sua vez, Jesus não prometeu a ele que o levaria para SEU REINO naquele dia, mas disse: “HOJE estarás comigo no PARAÍSO”.

 

Sendo que Jesus morreu e só ressuscitou ao 3.º dia, naquele dia - o dia no qual falou com o ladrão - não podia estar no Seu Reino, - que não era o Paraíso - com o ladrão.

 

É muito clara a indicação do tempo e da ação decorrida nas palavras de Cristo: Naquele dia, ele, o ladrão, estaria com Cristo no paraíso, ou seja, no mundo espiritual para onde Jesus esteve nos três dias que antecederam sua ressurreição.

 

Portanto, Jesus não esteve no Céu e por conseguinte também não, o ladrão.

 

Portanto, Jesus não levou o malfeitor para o céu e sim para o Paraíso.

 

Pedro acrescenta mais luz nesse assunto quando falando de Jesus escreve: “...mortificado na verdade, na carne, mas vivificado pelo espírito, foi, e pregou aos espíritos em prisão, os quais noutro tempo foram rebeldes,... nos dias de Noé". (1 Pedro 3:18-20.)

 

(Mas, isso conversemos num outro post).

 

Isso elucida muitas dúvidas sobre a justiça e misericórdia que às vezes alguns situam como mistérios de Deus.

 

Pois, não obstante o ladrão ter reconhecido sua própria culpa (um sincero e profundo arrependimento) e a retidão do Salvador, ele não entendia o evangelho e nem tinha sido obediente a ele. Portanto, ele, bem como outros homens que não tinham obedecido ao evangelho enquanto na carne, precisava ouvi-lo para exercer livremente a fé e então se decidir, mesmo que em espírito, conforme Pedro bem ensinou.

 

Pesquisei todas as mensagens que escreveu e descobri apenas uma única referência (em azul) que o senhor fez a esse sub-tema (se tiver alguma outra, por gentileza, diga-me).

 

Os grifos e a divisão do texto são meus.

 

Ei-la (10/12/02) PASTOR AIRTON escreveu: Li a longa explicação sobre a salvação do ladrão da cruz. O corpo de Cristo ficou na terra, mas sua alma subiu ao paraíso ou céu.

 

Aqui o senhor diz que o paraíso é o Céu.

 

Paulo coloca o paraíso e o céu no mesmo nível (2 Co 12.1-4). Jesus entregou nas mãos de Deus o Seu espírito (Lc 23.46). Ao dizer a Maria que “ainda não subi para meu Pai” , Ele estava se referindo à ascensão do Seu corpo ao céu. Na verdade.

 

A expressão de Cristo: "Em tuas mãos entrego meu Espírito" (Luc. 23:46) não entendo como quisesse dizer que Ele estava indo para o Céu, mas uma expressão que conota a total submissão a Deus, tal como Davi já a tinha expressado antes: "Nas tuas mãos, eu entrego meu espírito..." (Salmos 31:5)

 

A declaração de Jesus ao ladrão que se arrependeu e creu nEle, é uma declaração conclusiva,. categórica, positiva, objetiva, direta, precisa e verdadeira. Não podemos interpretar de outra maneira. 

 

Sem dúvida, também concordo com o senhor sobre o sincero arrependimento do ladrão.

 

Jesus declarou que o ladrão e Ele iriam juntos para o Paraíso, para o mesmo lugar onde estava o Pai, ao qual Ele entregou o seu espírito. O que passar disso é heresia.

 

Aqui outra vez, o senhor afirma que o Paraíso é o lugar onde habita Deus.

 

Dentro desse assunto – e apenas dentro dele – gostaria de deixar algumas perguntas e comentários.

 

O senhor diz que o corpo de Cristo ficou na terra e que sua alma subiu ao céu. Fiquei curioso em saber em qual parte da Bíblia lemos que Jesus foi ao Céu e deixou seu corpo na Terra?

 

Sabemos pelas escrituras que Deus habita no Céu e, que o Céu não é o paraíso conforme já expus acima.

 

O Céu é mesmo local para onde Cristo prometeu que levaria seus apóstolos, conforme Ele disse: “Não se turbe o vosso coração, credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. E quando Eu for e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos tomarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também” (Jo. 14:1-3).

 

Ora, se Cristo foi ao Céu, mesmo em espírito como o senhor afirma, por que Ele diria para Maria: “Não me detenhas, porque ainda não subi ao Pai, mas vai a meus irmãos e dize-lhes que eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus”?

 

Portanto, como conciliar a afirmação de Cristo, na qual, Ele diz para Maria que ainda não tinha subido ao Pai com a “Ele já tinha ido em espírito ao Pai?”

 

Supondo, que mesmo que Ele tivesse ido em espírito ao Céu (naqueles 3 dias), de qualquer forma, ele teria ido, de uma maneira ou de outra (com corpo ou sem corpo...) portanto, não faria sentido algum Ele declarar enfaticamente para Maria que "não tinha subido ao Pai".

 

Mesmo, repito, que Ele tivesse ido em espírito, Ele já teria ido... Como compreender o “Não me detenhas, porque ainda não subi ao Pai.

 

Até mesmo o fato Dele falar "não me detenhas..." parece expressar uma certa "pressa" em ir ao Pai... conotando que realmente não tinha ido de jeito algum e que agora Ele precisava ir.

 

Portanto, entendo que o que Ele afirmou para Maria, ao dizer “... Ainda não subi ao Pai”, signifique realmente que Ele não tinha ido ao Pai e, sabendo que o Pai está no Céu, fica claríssimo que Cristo não foi nem mesmo em espírito ao Céu e, junto com Ele, o ladrão, idem.

 

Outro ponto importante a ser visto aqui é continuidade de Sua afirmação a Maria: “...mas vai a meus irmãos e dize-lhes que eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus”.

 

Isto é uma clara afirmação que SOMENTE A PARTIR DALI, - portanto 3 dias após Sua morte - Ele estava indo cumprir com que houvera prometido aos seus discípulos, ou seja, ir ao Pai, por isso sua ordem a Maria: “vai a meus irmãos e dize-lhes que Eu subo para meu Pai... (Jo 14:1-3).

 

Observe também aqui, outra vez, Jesus, repetindo a afirmação: "Eu subo para meu Pai".

 

Portanto, reafirmo, Jesus não foi ao Céu naqueles 3 dias, mas ao paraíso, conforme claramente afirma Pedro em IPedro 4: 5-6 “Porque por isto foi pregado o evangelho também a mortos, para que, na verdade, fossem julgados segundo os homens na carne, mas vivessem segundo Deus em espírito”.

 

(Aqui, entretanto, abre-se um outro tópico sobre a questão da interpretação das palavras de Pedro no tocante ao significado de mortos que estarei colocando num outro post).

 

Acredito que assim, Pastor Airton, possamos enfocar melhor nossas posições e entender melhor e mais um ao outro, que acredito como algo também importante, além de apenas expormos nossas opiniões.

 

Mais uma vez, agradeço sua paciência em aguardar minha resposta e reafirmo que tem sido prazeroso nossas trocas de conhecimento acerca daquilo que cremos como verdade.

 

Fraternalmente,

 

Irineu

PS. Na seqüência estarei postando os demais sub-temas, entretanto, fique a vontade se já desejar comentar este.


Cap. 27