O BATISMO PELOS MORTOS

 


Capítulo 22

 

----- Original Message -----
From: irineu
To: defesadafe@yahoogrupos.com.br
Sent: Sunday, December 22, 2002 10:52 PM
Subject: [Apologética Aplicada] Batismo Pelos Mortos - Pastor Airton

Prezado Pastor Airton,

 

Desculpe-me a demora em respondê-lo. Tive uma semana desgastante no trabalho e dei-me um período de folga para recuperar um pouco as energias.

 

Podemos retomar nosso dialogo sobre o batismo pelos mortos.

 

Para não ficar muito repetitivo vou ratificar minha crença e fé nessa ordenança sagrada - a partir de seus comentários às minhas afirmações - por tópicos para facilitar sua compreensão e clareza.

 

Num outro post, colocado a seguir, considerarei a questão do contexto de I Coríntios 15:29 que já também foi amplamente exposto aqui nas minhas mensagens endereçadas ao Eduardo Honorato e Yuri, mas que prazerosamente reenviarei para o senhor.

 

BATISMO E BATISMO PELOS MORTOS

 

Mesmo entendendo que o senhor procura dividir o assunto em dois tópicos, talvez para uma melhor compreensão, considero entretanto, os dois como um só, pois o princípio é o mesmo e interliga plenamente a ambos.

 

Não dá para conhecer e crer sobre um e desprezar parte ou totalmente o outro. A única diferença visível é que um é utilizado em favor dos mortos e o outro em favor dos vivos, mas a essência ou princípios empregados é o mesmo, ou seja, necessários para a salvação (utilizarei esse termo, por agora, como significando voltar à presença de Deus).

 

BATISMO É ESSENCIAL

 

Conforme amplamente exposto, o batismo cumpre uma ordem diretamente pronunciada pela boca de nosso Salvador e Redentor, Jesus Cristo, ao ordenar que “aquele que crer e for batizado era salvo”. Além dessa categórica afirmação, segue-se os diversos batismos ocorridos e efetuados pelos apóstolos, no qual se incluem o do próprio Paulo, a quem muitos utilizam-se de suas palavras para afirmar que somente crer é o suficiente, o que não é verdade, pois deve-se seguir o batismo, conforme Jesus - reafirmo e relembro - ensinou e ordenou aos Seus apóstolos para então ser consumada a salvação.

 

Indícios fortes dessa doutrina e mandamento de Jesus são vistos de forma muito explicita no batismo das quase 3000 pessoas na festa de pentecostes, onde fica evidente que se se bastasse crer com a boca e confessar Jesus como Salvador, não precisaria os apóstolos realizarem uma ordenança para CADA UMA daquelas quase 3000 pessoas que aceitaram Cristo. Isso é de facílimo entendimento e salta aos olhos de forma muito clara.

 

Deixo claro ainda, que não é o batismo sozinho que conduz-nos de volta ao lar celestial, pois é preciso crer antes em Cristo como nosso Salvador e único capaz de realizar nossa redenção. E, além disso, é preciso perseverar até o fim.

 

Portanto, que fique claro, que nem todos que receberam o batismo voltarão a presença de Deus, mas todos que voltarem deverão estar batizados, conforme Jesus ordenou.

 

BATISMO PELOS MORTOS

 

Ora, sendo o batismo essencial para a salvação, segue-se uma pergunta óbvia: E aqueles que morreram sem conhecerem a Cristo? Pois muitos passaram e estão passando por essa vida dentro desse contexto.

 

Serão salvos? Segundo Jesus, não. Porque não foram batizados, pois Suas palavras são claríssimas e sem margem para dúbias interpretações.

 

Estarão perdidos? Também não. Pois, como poderiam ser condenados por um Deus justo se não ouviram de Cristo em vida para poderem decidir.

 

Nosso Pai Celestial, obviamente antes que chegássemos a essa situação aparentemente sem saída, já houvera providenciado uma resposta lógica e perfeitamente ajustada tanto a justiça quanto a misericórdia Dele.

 

É embaixo desse prévio conhecimento que Paulo fala publicamente aos irmãos de Corinto (observe que Paulo não fala a não-membros, mas aos santos daquela cidade), relembrando a eles que apesar de não estarem crendo mais na ressurreição de Cristo, ainda cumpriam com a ordenança sagrada do batismo pelos mortos que obviamente era alicerçada na crença da ressurreição dos mortos, tal como houvera ocorrida com Jesus.

 

CRER ANTES PARA SER BATIZADO

 

Pastor Airton, o senhor colocou esse contexto, dando-me a entender que um morto não poderia crer em Jesus. Respeito sua opinião e, a tenho como relevante em função de sua fé, porém discordo, pois acredito que os mortos são ensinados no mundo espiritual, tendo assim a oportunidade que não tiveram em vida.

 

Isso prova que a justiça e a misericórdia de Deus se completam de forma perfeitamente maravilhosa, o que produz em mim, um entendimento maior da sabedoria e discernimentos de nosso Pai Eterno, na qual, Ele não falta com a misericórdia para uns e nem com a justiça para outros. É realmente notável e  maravilhoso o Plano de Salvação e Redenção que Deus preparou para nós! 

 

O senhor citou também os sonhos como de forma inadmissível para uma comunicação espiritual, mas relembro-lhe que muitas são as situações encontradas e narradas nas escrituras, onde o Senhor revelou Sua vontade através de sonhos. Não vejo portanto, nada de anormal quanto alguém sonhar com um antepassado, por exemplo, no qual, este denota a necessidade do batismo por ter aceitado a Cristo no mundo espiritual.

 

Quando nos batizamos pelos mortos, o fazemos na crença e fé de que eles possam ter aceitado a Cristo no mundo espiritual. E isso só é realizado depois de 01 ano do seu falecimento.

 

CONDENAÇÃO E SALVAÇÃO

 

Não acreditamos no imediatismo desse julgamento, ou seja, se não tiver salvo está condenado ou vice-versa. Não entendemos assim.

 

O mundo espiritual para onde vão todos os que morreram, bons ou não, é um estado intermediário, onde aguarda-se o julgamento final de acordo com suas obras e fé em Jesus. Pedro entendia isso muito bem ao afirmar: “Os quais hão de dar conta ao que está preparado para julgar os vivos e os mortos. Pois é por isto que foi pregado o evangelho até aos mortos, para que, na verdade, fossem julgados segundo os homens na carne, mas vivessem segundo Deus em espírito”. (I Pedro 4:5-6)

 

Portanto, os mortos estão também ouvindo as boas novas de Cristo para receberem o mesmo julgamento que nós os vivos receberemos por ocasião do julgamento final. Esse é um plano perfeito de um Pai ao mesmo tempo justo e misericordioso.

 

CRERAM E NÃO FORAM BATIZADOS

 

Aqueles que já creram em Cristo e não foram batizados, também estão no mundo espiritual aguardando também seu julgamento onde deverão receber seus respectivos galardões. Entretanto, por não terem sido batizados em vida e, em cumprimento da expressa e direta ordem de Jesus deverão ser batizados.

 

O PARAÍSO NÃO É O CÉU

 

O mundo espiritual é chamado de paraíso nas escrituras. Foi para lá, por exemplo, que foi enviado o ladrão arrependido e, lá não é o Céu.

 

Observe que Cristo algum tempo antes tinha prometido aos discípulos que iria para o Pai Celestial, como se lê em Jo. 14:1-3: “Não se turbe o vosso coração, credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. E quando Eu for e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos tomarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também”.

 

Compare aquela declaração com o que disse Cristo a Maria Madalena, quando a encontrou após os 3 dias de Sua morte e portanto já ressurreto: “Disse-lhe Jesus: “Não me toques, porque ainda não subi ao Pai; mas vai a meus irmãos e dize-lhes que eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus”. (Jo. 20:17)

 

Ao mesmo tempo tenha em mente o que Jesus prometeu ao ladrão arrependido: “Respondeu-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso”. (Luc. 23:43).

 

Ora, sendo que Jesus ainda não tinha ido ao Céu, durante aqueles 3 dias, conforme Ele mesmo declarara à Maria Madalena e, como houvera prometido no dia de Sua crucificação ao ladrão arrependido que este estaria com Ele no Paraíso naquele mesmo dia – “...hoje estarás comigo na paraíso” - é óbvio que o Céu não era o Paraíso. Portanto, o ladrão não foi levado ao Céu.

 

E onde esteve então Jesus? No Paraíso ou mundo espiritual.

 

Pedro em uma de suas cartas deixa isso evidente quando faz clara alusão a esse assunto em duas ocasiões:

 

- Pois é por isto que foi pregado o evangelho até aos mortos, para que, na verdade, fossem julgados segundo os homens na carne, mas vivessem segundo Deus em espírito”. ( I Pedro 4:6)

 

- “Porque também Cristo morreu uma só vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus, sendo, na verdade, morto na carne, mas vivificado no espírito, no qual também foi, e pregou aos espíritos em prisão”.

 

Pastor Airton, fui evangélico e sei que é difícil aceitar que o batismo é uma parte integrante e essencial da salvação, pois para isso teria-se – no pensamento evangélico – que desacreditar na doutrina do “apenas crer e serás salvo”. Ficaria-se com a crucial pergunta sem resposta do que seriam daqueles que não conheceram a Cristo por que não lhes foi em vida oportunizado tal chance. Como conciliar o “crerdes e serdes batizados” com esta situação?

 

Sou muito grato por conhecer as respostas para isso. Compartilho consigo minha fé no unigênito do Pai como meu Salvador e Redentor e que graças ao Seu Sacrifício expiatório, proporcionou-me a mim e minha família a oportunidade de retornar a presença de nosso Pai Celestial. Sou muito feliz por conhecer e testemunhar sobre isso.

 

Fraternalmente,

 

Irineu

 

----- Original Message -----
From: Airton Evangelista da Costa
To: Apologetica Aplicada
Sent: Monday, December 23, 2002 11:23 AM
Subject: [Apologética Aplicada] Batismo pelos mortos

 
Amados,
 
O mormonismo, pela palavra do amado Irineu, afirma que os mórmons sonham com os seus parentes falecidos, e por esse meio tomam conhecimento de que esses mortos receberam no além a Palavra, creram em Jesus, e estão aptos a serem batizados. Como eu nunca tive esse tipo de sonho, pergunto aos participantes desta lista se  já passaram  por igual experiência. Considero que, em se tratando de uma obra destinada à salvação, Deus permitirá que todos tenham esse tipo de sonho. Do contrário, ficamos sem saber se os mortos creram para serem batizados. Respondam apenas SIM ou NÃO, confirmando ou negando a experiência pessoal.
 
Grato
 
Airton

 


Cap. 23